Programa

Segue, em uma lista de tópicos, os assuntos que serão abordados no curso:

As possíveis definições para “mito” e as controvérsias em torno do tema. Os caminhos semânticos percorridos pelo termo até as suas acepções contemporâneas.

As fronteiras e interseções entre o discurso mítico e o discurso teórico, filosófico e científico.

A função dos mitos na formação e de uma cultura e da transmissão de seus saberes e valores fundamentais.

As relações entre mito, arte e literatura: experiências estéticas capazes de fundar mundos.

O mito e o rito: dispositivos culturais universais para a constituição das sociedades. 

Mitos como alegorias do mundo e alegorias da psique: uma decifração simbólica da realidade. Como uma história pode desvendar a estrutura da realidade.

A “Epopeia de Gilgámesh”: a inteligência humana aprende a lidar com a morte. 

A “Ilíada”: o conflito como elemento fundante do real.

A “Odisseia” e o tema da jornada. A redenção como retorno.

A “Teogonia” e “Os trabalhos e os dias” de Hesíodo: o que é o mundo, e qual o nosso papel na economia cósmica.

O mito de Édipo e o autoconhecimento como autodestruição.

Diversas disposições filosóficas ante o mito: oposição, complementaridade, rejeição, resgate, reverência.
Os gregos antigos pensam sobre os mitos: Xenófanes, Platão, Aristóteles, os estoicos. 

O Cristianismo como religião filosófica: o imperativo de interpretar alegoricamente as Escrituras.

O desprezo dos modernos e o resgate promovido por Schelling.

Algumas propostas contemporâneas: a psicanálise, o estruturalismo, a filosofia da linguagem.

A presença do mito na cultura contemporânea. 

A filosofia explora o mito 1: Orfeu e Schopenhauer.

A filosofia explora o mito 2: Narciso e Santo Agostinho.

A filosofia explora o mito 3: Sísifo e Camus.

A filosofia explora o mito 4: Dioniso e Nietzsche.