Programa

Março de 2019: 13, 20 e 27

Estabelecer parâmetros de comparação histórica entre as personagens de romances contemporâneos, de autores como Ferrez,, Marçal Aquino, Rubem Fonseca, Patrícia Melo e Raquel de Oliveira. Levantar a discussão sobre as condições do feminino e do masculino na literatura recente, tendo como investigação a temática do Gênero, e a subversão da identidade. Para este foco, partiremos do livro de Judith Butler, Problemas do Gênero.

 

Abril de 2019: 3, 10, 17 e 24

 A partir de René Girard e sua teoria sobre a violência e o sagrado, estabelecer relações com a personagem criminosa dos romances de Ferrez, Marçal Aquino, Rubem Fonseca, Patrícia Melo e Raquel de Oliveira. Identificar   a relação entre violência e representação realista, a partir de um permanente sentimento de desajuste que ca­racteriza as personagens em diferentes circunstâncias: no embate com suas próprias vontades, aspirações e fracassos, que as levarão para o sentimento de tragicidade.

 

Maio de 2019:  8, 15, 22 e 29

Caracterizar o conflito das  personagens  com o outro, quase sempre marcado pelas tensões que envolvem a circu­lação de sujeitos anônimos pelos grandes centros urbanos, criando um sentimento de deriva que assinala a vivência com os espaços públicos; na disjunção da família, com seus egoísmos e perversidades; nas fronteiras do país, em que parece predominar, do ponto de vista das instituições, uma espécie de pe­rigosa anomia que, em razão da ausência do Estado, permite que a lei nasça da força, do crime e do coldre de um revólver, como po­deremos ver no romance O Matador de Patrícia Melo e as obras dos outros autores citados para o curso.

As principais referências sobre a ficção contemporânea brasileira, em sua vertente realista, serão oferecidas por Karl Erik Schøllhammer (2007; 2009; 2012) e Tânia Pellegrini (2001; 2008a; 2008b; 2012). Feito isso, definiremos o lócus específico do universo ficcional dos autores, caracterizados pelo uso de uma violência cruel e silenciosa, associada à metáfora de cupins que corroem a madeira, e também a crônica em sua perversidade generalizada.

 

Junho de 2019:  5, 12, 19, 26

 Adaptações das obras literárias para o cinema: exibição dos filmes A Grande Arte,  O Homem do Ano, O Invasor e  A Número I; análise da entrevista editada com a escritora Raquel de Oliveira;  discussão teórica sobre o cinema e sua relação com a violência urbana.

 

Julho de 2019: 3, 10 e 17

Mesa Redonda com as escritoras convidadas Raquel de Oliveira e Patrícia Melo, mediadora – Professora Rachel Nunes. Debate sobre a estética da violência e da trajetória das personagens dos romances das duas autoras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

AQUINO, M. O invasor: novela. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

_____. Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

_____. Cabeça a prêmio. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

_____. Famílias terrivelmente felizes. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Badinter, E. Rumo equivocado: o feminismo e alguns destinos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

Butler, J. Problemas do gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Revisão técnica de Joel Birman. 13.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

Barthes, R. A câmara clara. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

Brait, B. A personagem. 3.ed. São Paulo: Ática, 1985.

Breton, D. Le. Adeus ao Corpo. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas (SP): Papirus, 2003.

Coutinho, A. Maiquel dez anos depois. In: Giovanna Dealtry; Masé Lemos; Stefania Chiarelli (Orgs.). Alguma prosa: ensaios sobre literatura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007, p.143-155.

Dealtry, G.; Lemos, M; Chiarelli, S. (Orgs.). Alguma prosa: ensaios sobre literatura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007, p.143-155.

Didi-Huberman, G. O que vemos, o que nos olha. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 1998.

FERREZ. Capão Pecado. São Paulo: Labortexto Editorial, 2000.

-----------. Manual Prático do Ódio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

Figueiredo, V.F. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

Fonseca, Rubem. A Grande Arte, Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1990.

--------------, Rubem. Elas e Outras Mulheres, Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2000.

Girard, R. O bode expiatório. Tradução de Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, 2004.

Girard, R. A voz desconhecida do real. Tradução de Felipe Duarte. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

Girard, R. A violência e o sagrado. Tradução de Martha C. Gambini. São Paulo: UNESP, 1990.

Hollanda, H.B. de. O estranho horizonte da crítica literária feminista no Brasil. In: Flora Sussekind, Tânia Dias, Carlito Azevedo (Orgs.). Vozes Femininas, gênero, mediações e práticas de escrita. Rio de Janeiro: 7 Letras/ Fundação Casa Rui Barbosa, 2003, p.15-26.

Jaguaribe, B. O Choque do Real. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

Klinger, D. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. 2.ed. Rio de Janeiro: 7 Letras: 2012.

Lima Barreto. Clara dos Anjos. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

Oliveira, R. de. A número um. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2015.

Melo, P. Ficción y Realidad. In: Matilde Graciela e Sánchez. Diagonal Sur. Buenos Aires: Edhasa, 2007, p.81-97.

Melo, P. O Matador. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Messa, F. O gozo estético do crime: dicção homicida na ficção contemporânea. Tubarão (SC): Unisul, 2008.

Moraes, E.R. O corpo impossível: a decomposição da figura humana de Lautréamont a Bataille. São Paulo: Iluminuras, 2002.

Tonani do Patrocínio, P.R. Escritos à Margem: a presença de escritores da periferia na cena literária contemporânea. Tese (Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

Resende, B. Contemporâneos. Expressões da Literatura Brasileira no Séc. XXI. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2008.

Roudinesco, E. A parte obscura de nós mesmos: uma história dos perversos. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

Schøllhammer, K.E. André Santana e o Real da Linguagem. In: Francisco Foot Hardman; Jaime Ginzburg; Márcio Seligmann-Silva (Orgs.). Escritas da Violência, vol. 1. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012, p.174-184.

Schøllhammer, K.E. Texto, Performance e Literatura: perspectivas e contradições. In: Heidrun Krieger Olinto, Karl Erik Schøllhammer (Orgs.). Literatura e Criatividade. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012, p.83-93.

Schøllhammer, K.E. Literatura e Realidade. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011.

Schøllhammer, K.E. Ficção brasileira contemporânea. 2ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

Schøllhammer, K.E. Entrevista a Paulo Gravina e Alluana Ribeiro. Jornal Plástico Bolha, ano 2, n.°15, Rio de Janeiro, ago.2007.

Schøllhammer, K.E. Além do visível. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

Schøllhammer, K.E. Texto, Literatura e Cultura Visual. In: Karl E. Schøllhammer e Heidrun Krieger Olinto (Orgs.). Literatura e Cultura. Rio de Janeiro: E-Book: PUC-Rio, 2003.

Schøllhammer, K.E. e Olinto, Heidrun Krieger (Orgs.). Literatura e Mídia. Rio de Janeiro: Loyola: PUC-Rio, 2001.

Schøllhammer, K.E. Os cenários urbanos da violência na literatura brasileira. In: Carlos Albert M. Pereira et al. Linguagens da violência. Rio de Janeiro: Rocco, 2000, p.237-259.

Sontag, S. Sobre Fotografia. Tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Velasco, T.M. Escritas de si contemporâneas: uma discussão conceitual. ANAIS ELETRÔNICOS ABRALIC. UFPA, Belém, de 29 de junho a 03 de julho de 2015.

Vernant, J-P. Mito e Religião na Grécia antiga. Tradução de Joana Angélica D’Ávila Melo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Vigarello, G. História do Estupro: violência sexual nos Séculos XVI-XX. Tradução de Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

Vignoles, P. A Perversidade. Tradução de Nícia Adan Bonatti. Campinas (SP): Papirus, 1991.