Fernanda Abranches Araujo Silva

Fernanda Abranches é graduada em Desenho Industrial (1998), mestre em História Social da Cultura pela PUC-Rio (2008) e Especialista em Ensino da Arte pela UERJ (2016). Atua como pesquisadora independente em artes visuais, escrevendo artigos para sua coluna (https://fernandabranches.wordpress.com) e revistas acadêmicas. Na dissertação de mestrado intitulada "A convocação do corpo na reelaboração de subjetividades: Lygia Clark e os novos sentidos para a vida cotidiana", investigou o potencial catalizador de novas subjetividades existente na obra relacional de Lygia Clark. Suas pesquisas sobre arte brasileira vem se endereçando ao estudo dos encontros entre a arte e a sau?de mental. Seu mais recente trabalho foi a monografia intitulada, "O potencial transformador da arte na estética de Mário Pedrosa" na qual lidou com a noça?o de "arte virgem" elaborada pelo crítico nos anos 1940, termo utilizado para agrupar a produça?o pla?stica de crianças, pessoas com transtornos mentais e artistas "primitivos". Seu anteprojeto de doutorado contempla pesquisa sobre o trabalho do artista e psiquiatra Lula Wanderley no Espaço Aberto ao Tempo (EAT), cli?nica localizada no Instituto Municipal Nise da Silveira. No EAT Wanderley lança ma?o de dispositivos da Estruturaça?o do Self (Lygia Clark) e outros recursos arti?stico- terapêuticos no que chamou de "psiquiatria poe?tica".